Há 45 anos, no dia 22 de setembro de 1974, Michael Jackson e os irmãos ­Jermaine, Marlon, Tito, Jackie fizeram um show inesquecível. O ginásio Nilson Nelson, na época ainda chamado de ginásio Presidente Médici, tinha mais de 20 mil pessoas. Michael Jackson, então com 16 anos, integrava o grupo Jackson Five.

Na noite inesquecível, presenciada por muitos advogados e estudantes de Direito, o grupo cantou músicas de sucesso como “Never Can Say Goodbye”, “I´ll Be There” e também “Superstition”, de Steve Wonder, e “Papa Was a Rolling Stone”. Michael Jackson espontaneamente ainda cantou uma estrofe de “Ben” a capela.

A banda esteve antes em São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Foi a primeira turnê no Brasil. Por muito pouco o show do Jackson Five não foi cancelado na capital federal. Passou do dia 21 para 22 de setembro. O motivo: a carreta com equipamentos para o show tinha quebrado na saída de Belo Horizonte. Não havia como chegar à cidade naquela tarde. No dia seguinte, a comitiva precisava embarcar para cumprir agenda no Chile. O show tinha que ser realizado. A comitiva ocupava dois andares – eram 21 pessoas – do antigo hotel Eron.

A confusão era muito grande. Um dos organizadores da ida do Jackson Five a Brasília foi o jornalista Carlos Augusto Badra, na época diretor do extinto jornal Correio do Planalto. O secretário de Segurança do DF, coronel Aimeé Lamaison chegou avisando: “O governador Elmo Serejo Farias está sabendo de tudo. Tenho carta branca. Vou falar com as autoridades portuárias. De Brasília, eles não saem sem fazer o show”. E não saíram. Na hora do espetáculo, ginásio lotado e inquieto, uma equipe de segurança do GDF acompanhou os Jacksons ao palco.

No dia seguinte, Michael Jackson e os irmãos puderam ir embora tranqüilamente do Brasil.