A juíza Rosângela Rodrigues negou hoje (8) o novo pedido da defesa de João de Deus para que o cliente passasse do Núcleo de Custódia em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, para a prisão domiciliar. Magistrada da comarca de Abadiânia, onde as vítimas denunciam que foram abusadas sob pretexto de atendimento espiritual, disse que não há fatos novos que justifiquem a medida.

João de Deus está preso desde dezembro de 2018 e é réu em 9 das 11 denúncias contra ele. O detento sempre negou que tivesse abusado sexualmente de mulheres e adolescentes que o procuravam na Casa Dom Inácio de Loyola para atendimentos espirituais.