O procurador do Ministério Público de Minas Gerais Leonardo Azeredo, que chamou de “miserê” um salário de R$ 24 mil, recebeu, em média, R$ 60 mil líquidos por mês em 2019, segundo Portal da Transparência do Ministério Público. O valor soma salário, indenizações e outras remunerações.

Uma caixa instalada em frente à Igreja São Francisco de Assis da Pampulha, em Belo Horizonte, hoje (10), ironizou os lamentos do procurador Leonardo Azeredo dos Santos, reclamou do salário “miserê” de R$ 24 mil em um desabafo aos colegas e ao procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet.

Junto à caixa foi colocado um pedido inusitado: “Ajude o procurador do MPMG saor do miserê. Deposite aquisua doação”, diz o ato de protesto em um dos marcos arquitetônicos da capital mineira.