A Suprema Corte espanhola condenou hoje (14) nove líderes separatistas da Catalunha que participaram da tentativa de independência da região em 2017. Embora tenham sido absolvidos da acusação de rebelião, os separatistas receberam penas que vão de 9 a 13 anos pelo crime de sedição.

Após o anúncio da sentença, manifestantes que defendem a independência da Catalunha entraram em confronto com a polícia.

O ex-presidente catalão Carles Puigdemont, que fugiu para a Bélgica, não foi julgado. Contra ele, em uma outra decisão, foi expedido um mandado internacional de prisão por “crimes de sedição e desvio de recursos públicos”.