O Ministério Público do DF (MPDFT) sustenta que a arquiteta Adriana Villela é a mandante da morte dos próprios pais, o ministro aposentado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela e a advogada Maria Villela. A funcionária da casa, Francisca Nascimento Silva, também foi assassinada. O crime ocorreu em 28 de agosto de 2009.

Faltam menos de 10 dias para Adriana Villela ser levada ao banco dos réus, embate que promete movimentar o Tribunal do Júri de Brasília. Em 23 de setembro, cada lado (defesa e acusação) terá direito a 15 testemunhas. Elas prestarão depoimento diante de sete jurados, escolhidos entre os 25 previamente selecionados.