O ministro Gilmar Mendes foi sorteado hoje (18) para relatar, no Supremo Tribunal Federal (STF), pedido da defesa de Adriana Villela. Ela entrou com novo habeas corpus solicitando que a Corte suspenda o julgamento no Tribunal do Júri de Brasília marcado para próxima segunda-feira (23).

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, que representa Adriana Villela, questiona decisão monocrática do ministro Luís Roberto Barroso, do STF que manteve o júri, e pede que o Pleno da Corte conceda medida cautelar e adie a ação que colocará a acusada de assassinato dos pais no banco.

Adriana é acusada de ser a mandante do assassinato dos pais, o ministro aposentado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela e a advogada Maria Villela. A funcionária da casa, Francisca Nascimento Silva, também foi executada. Eles foram mortos a facadas — 73 no total —, em agosto de 2009, no caso ficou conhecido como o crime da 113 Sul.