Atendendo a pedido do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), o vereador e advogado Aldervan Souza Cordovil, da Câmara Municipal de Coari, teve sua inscrição na Ordem dos Advogados no Brasil (OAB-AM) suspensa por determinação da Justiça. O titular da 1ª Promotoria de Justiça de Coari, Promotor de Justiça Weslei Machado, requereu a aplicação de uma medida cautelar diversa da prisão, qual seja, a suspensão do direito de advogar, em razão do uso da profissão de advogado como meio para a prática de crimes.

Aldervan Souza Cordovil, conhecido em Coari como Dr. Adeva, foi denunciado pelo MP-AM por diversos crimes. Nos autos do Processo nº 797-44.2017, o promotor de Justiça Weslei Machado teve deferido o pedido de envio de cópia dos autos à OAB-AM, para apuração de desvio ético-profissional no exercício da advocacia. Entretanto, como tal medida não possui a celeridade necessária para resguardar a ordem pública e garantir a aplicação da lei penal e a instrução criminal, foi necessária outra ação.

Na denúncia, o Promotor de Justiça aponta o risco de cometimento de novos crimes, já que Aldervan Souza Cordovil continuava atuando normalmente como advogado, mesmo respondendo a quatro processos criminais por apropriação indébita agravada pelo recebimento de valores em razão da profissão de advogado e estelionato