Dados históricos: na noite do dia 30 de abril de 1981, por volta das 21h15, explodiu a bomba que poderia ter matado milhares de jovens no Riocentro, no Rio de Janeiro. Na época quem presidia a OAB Nacional era o advogado Bernardo Cabral que anos depois, eleito Senador da República, se tornara relator da Assembleia Nacional Constituinte e depois ministro da Justiça.
Naquela noite – véspera do Dia do Trabalhador – se realizada no Centro de Convenções um espetáculo comemorativo do Dia do Trabalhador. s bombas, levadas ao complexo num carro esportivo civil Puma GTE, seriam plantadas no pavilhão pelo sargento Guilherme Pereira do Rosário e pelo capitão Wilson Dias Machado.

Com o evento já em andamento, uma das bombas explodiu prematuramente dentro do carro onde estavam os dois militares, no estacionamento do Riocentro, matando o sargento e ferindo gravemente o capitão Machado. Uma segunda explosão ocorreu a alguns quilômetros de distância, na miniestação elétrica responsável pelo fornecimento de energia do Riocentro. A bomba foi jogada por cima do muro da manfestação, mas explodiu em seu pátio e a eletricidade do pavilhão não chegou a ser interrompida.