Jornalista no eixo Brasília-Rio de Janeiro.

Operação Lava-Jato

O próximo corregedor nacional de justiça do CNJ e ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) , João Otávio de Noronha defendeu o trabalho da força-tarefa da operação Lava Jato, com cooperação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal (MPF), e com o juiz federal Sérgio Moro no comando dos processos judiciais. O trabalho…

O Bar do Avião

Poucos sabem mas o Bar do Avião, em Recife, pertencia ao advogado Silvio Amorim, que tempos atrás foi presidente da Fundação Projeto Rondon. O bar temático funcionou apenas por um ano porque, segundo Silvio, “pagava todos os impostos e obrigações trabalhistas”.

Fila interminável

Ao comentar a importância do projeto de lei PL 2014/03, tramitando na Câmara dos Deputados e que redefine a competência do foro militar, o comandante-geral da Polícia Militar de Minas Gerais, Marco Antônio Bianchini, disse que, em seu estado, há uma fila de oito mil processos sobre crimes de militares cometidos contra civis para serem julgados, o que representa cerca de 20 anos.

Foro militar

O deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), relator do projeto (PL 2014/03), na Câmara dos Deputados, que redefine a competência do foro militar quer a aprovação de urgência para a matéria, já na próxima terça-feira (21), para que o mérito da proposta seja apreciado pelo Plenário na semana seguinte. A proposta transfere da justiça comum para a justiça militar o julgamento de crimes contra a vida praticados por militares das Forças Armadas em atividade oficial. O relator explicou que o motivo da pressa são as Olimpíadas, com abertura confirmada para 5 de agosto.