Jornalista no eixo Brasília-Rio de Janeiro.

Preso diretor do Fluminense

O diretor de marketing do Fluminense, Artur Mahmoud, foi preso hoje (11) junto com outras duas pessoas na Operação Limpidus, que investiga repasses de ingressos de partidas de futebol para torcidas organizadas — até mesmo para as que estão proibidas de entrar nos estádios.

Nelio Machado, o “tricolor”

Torcedor “doente” do Botafogo de Futebol e Regatas, o advogado criminalista Nelio Machado foi contratado pelo Fluminense para defender o clube no processo em que é acusado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de fornecer ingressos para várias torcidas organizadas. Na denúncia, a polícia e Ministério Público afirmam que os bilhetes eram repassados a…

O adeus a Maurício Campos Bastos

Faleceu hoje (10), em Brasília, aos 87 anos, o juiz do trabalho aposentado, advogado e jornalista Mauricio Campos Bastos, pai do ministro do TST, Guilherme Caputo Bastos, do ex-ministro do TSE, Carlos Eduardo Caputo Bastos e do ex-presidente da OAB do Distrito Federal, Kiko Caputo. Mauricio e a esposa, dona Cléa, vieram há muitos anos para a capital federal procedentes de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Ao todo, o casal teve nove filhos. “Uma perda muito grande. Conheço toda a família. O Mauricio era meu amigo, fomos colegas de magistério na UDF durante quase dez anos”, lembrou com muita tristeza o advogado e ex-presidente do STJ, ministro aposentado Paulo Costa Leite. “Tolerante, amigo, era apaixonado pela vida, pela família e pelas pessoas”, lembra com carinho o advogado brasiliense Antonio Carlos Dantas. No início de carreira, ganhava a vida narrando futebol para a Rádio Industrial de Juiz de Fora. Chegou, inclusive, a narrar a Copa do Mundo de 1950.

O saudoso Chico Mendes

Se fosse vivo o sindicalista Francisco Alves Mendes Filho, mais conhecido como Chico Mendes, iria completar na próxima sexta-feira (15) 73 anos. Nascido no município acreano de Xapuri, Chico Mendes foi seringueiro, sindicalista e ambientalista. Lutou a favor dos seringueiros da Bacia Amazônica, cuja subsistência dependia da preservação da floresta e das seringueiras nativas. Seu ativismo lhe trouxe reconhecimento internacional, ao mesmo tempo em que provocou a ira dos grandes fazendeiros locais.