Jornalista no eixo Brasília-Rio de Janeiro.

Acusação falsa

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) arquivou a investigação sobre a acusação do diretor de Relações Institucionais do grupo J&F/JBS, Ricardo Saud, contra o jornalista Cláudio Humberto por concluir que não se verificou a existência “de indícios mínimos da prática de conduta criminosa” pelo profissional de imprensa.
Ao prestar depoimento no âmbito de seu acordo de delação, em maio do ano passado, Saud disse que o jornalista o “extorquiu” e deixou de publicar críticas a seu respeito após a JBS anunciar no site de sua propriedade. A investigação do MPDFT concluiu que isso não aconteceu e que mesmo após a assinatura de contrato publicitário, o jornalista publicou notícias críticas ao grupo e ao próprio Saud.

Palavras perderam sentido

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), reiterou hoje (7) que era sigilosa a ordem que emitiu em fevereiro para quebrar o sigilo bancário do presidente Michel Temer. Em rápida manifestação à imprensa na entrada da Corte, antes da sessão, o ministro disse: “A quebra do sigilo bancário de Temer é um…