Necessidades em lata

A empresa M.A Segurança Patrimonial Ltda,em Manaus, foi sentenciada a pagar R$31 mil para um vigilante que exercia sua função em condições precárias. O reclamante alegou, em petição inicial, que o posto da empresa Construbase não possuía refeitório, banheiro e água potável, obrigando o funcionário a fazer suas necessidades fisiológicas em latas e sacos plásticos durante os 15 meses em que esteve trabalhando no local.

Veja mais

Sequestro do gerente

A gerente de um banco estava chegando em casa com o seu marido após um dia de trabalho, quando foi surpreendida por bandidos. Após anunciarem que se tratava de um assalto voltado à instituição onde ela trabalhava, os assaltantes a mantiveram em casa durante a noite, enquanto seu marido foi transportado para um cativeiro. Na manhã seguinte, a trabalhadora foi obrigada a se dirigir até a agência bancária para retirar o numerário. Após entregar o dinheiro do banco aos assaltantes, o marido dela foi libertado.

Veja mais

Banco de São Mateus

Um banco de São Mateus (ES) terá que pagar indenização de R$ 5 mil por danos morais após negativação indevida do nome de um morador da região. O valor deverá ser pago com correção monetária e acréscimo de juros a partir da data do fato. A sentença é do juiz da 2ª Vara Cível da Comarca do município.

Veja mais

Toque de estudo

A Comarca de Cícero Dantas, a 264 quilômetros de Salvador, começou a notificar 270 pais de alunos em situação de evasão e indisciplina escolar. O objetivo é ouvir as alegações e advertir sobre a situação de seus filhos que vêm faltando às aulas. A notificação coletiva está prevista no Toque de Estudo e Disciplina (TED), iniciativa pioneira lançada pelo juiz José Brandão, que atualmente trabalha em Cícero Dantas e no município vizinho de Antas.

Veja mais