Dallagnol na Ajufe

O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Veloso irá receber amanhã (08), às 10 horas, na sede da entidade, o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, o procurador do Ministério Público Federal (MPF), Daltan Dallagnol. A audiência foi solicitada por Dallagnol e o tema da conversa deve ser o futuro…

Veja mais

Sobram qualidades

Do ex-juiz federal e hoje advogado na empresa Perlman Vidigal Godoy Advogados, Luciano Godoy: “Conheço Alexandre de Moraes há mais de 20 anos. É mestre, doutor e livre docente da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo São Francisco), onde estudamos. E ele hoje é professor. Foi do Ministério Público do Estado de São Paulo, tendo deixado a carreira por opção para se voltar à vida política e à advocacia privada.

Veja mais

O futuro ministro do STF

Indicado por Michel Temer para uma vaga no STF, o paulista Alexandre de Moraes , de 49 anos, é um jurista e político brasileiro, filiado ao PSDB. Além de ser o atual Ministro da Justiça e Segurança Pública, é professor associado da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP), onde se formou e tornou-se doutor em Direito do Estado e livre-docente em Direito Constitucional. Também é professor titular da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie. O futuro ministro do Supremo iniciou sua carreira como promotor de justiça no Ministério Público do Estado de São Paulo. Exerceu os cargos de assessor do Procurador-Geral de Justiça e Primeiro-Secretário da Associação Paulista do Ministério Público.

Veja mais

Mutirão da OAB

O presidente da OAB de Sergipe (OAB-SE), Henri Clay Andrade anunciou hoje (07) que os advogados inscritos na Seccional vão analisar, de forma gratuita, a situação jurídica dos presos provisórios que hoje representam 70% da população carcerária de Sergipe. A finalidade, segundo Henri Clay, é impetrar imediatamente ação de habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça do estado em relação a determinados detentos que estejam presos indevidamente “pela absoluta falta de provas da autoria do delito ou pela prática de crimes de baixo potencial ofensivo, cuja condenação final não resulta em pena de prisão”.

Veja mais