Direito Global
Sem a toga

Bastonário é nome próprio

Transcorria o ano de 2012 quando Roberto Busato, ex-presidente do Conselho Federal da OAB, recebeu um telefonema de Campina Grande, na Paraíba, do antigo conselheiro federal José Araújo Agra. Ele pretendia transformar o Congresso dos Advogados de Campina Grande em um Congresso internacional e solicitou ao Busato que convidasse alguma figura jurídica do exterior.

O presidente nacional da OAB entrou imediatamente em contato com o então Bastonário de Portugal, hoje deputado comunitário em Bruxelas, Antonio Marinho e Pinto, convidando para vir ao Nordeste brasileiro para a tal conferência. Marinho de pronto aceitou o convite e Agra determinou a agência de viagem que tratava dos deslocamentos de palestristas que emitisse a passagem. O bilhete foi remetido ao Marinho e Pinto.

Este não conferiu a passagem e no dia da viagem, mo aeroporto Portela de Sacavém, em Lisboa, ao fazer o chek-in foi informado pela funcionária da TAP que havia divergência entre o nome na passagem e o do passaporte. Foi aí que Marinho percebeu que a passagem estava grafado o nome – BASTONÁRIO ANTONIO MARINHO E PINTO.

A confusão foi enorme e Marinho só voou por ter chegado com bastante antecedência e ser conhecido dos diretores da TAP. Ele conseguiram resolver a questão em cima da hora da partida do voo, pois Bastonário não é nome …

clica