Direito Global
blog

Pedro Paulo, um acreano da gema

A piada envolvendo o terceiro estado menos populoso do Brasil (881 mil, segundo estimativa do IBGE) marcou a fala de agradecimento de Ayres Rocha, âncora da Rede Amazônica, em sua estreia na bancada do Jornal Nacional ao lado da baiana Jéssica Senra, como parte das comemorações dos 50 anos do telejornal.

O juiz federal aposentado e hoje advogando em Brasília, Pedro Paulo Castelo Branco, nascido em Rio Branco, no Acre, respondeu a provocação do apresentador Ayres Rocha:

-O pai desse rapaz, conheci muito, foi meu no professor no ginásio acreano. Gente muito boa. Conheci ele e toda a família. Chamava-se Álvaro Rocha, enquanto o filho jornalista chama-se Ayres Rocha. Temos que dar um desconto porque estava muito emocionado, e um pouco nervoso tamanha a responsabilidade. Foi a primeira vez. Como em tudo, a primeira vez fica-se nervoso. Tal qual a primeira noite de um homem. Esqueceu de grandes personagens acreanos, inclusive os vivos, e os que se foram: Gloria Peres, Armando Nogueira, precursor do JN, grande diretor da Globo, jornalista de escol, medico Adib Jatene, de Xapuri/Acre, que honrou a medicina paulista, e nacional, Chico Mendes, defensor de nossa selva amazonica, grande ecologista, Jarbas Passarinho, também de Xapuri/Acre, ministro varias vezes, grande político no Pará, o poeta JG de Araújo Jorge, de Tarauaca/Acre, deputado federal pelo Rio de Janeiro, o humorista José Vasconcelos, que sonhou com a Vasconcelandia, que seria parecida com a Disneylândia brasileira, e muitos outros acreanos ilustres, personagens que honraram a vida pública nacional. Sem contar com Plácido de Castro, gaúcho, que chefiou a revolução acreana contra as tropas bolivianas em 1902, e que culminou com o tratado de Petrópolis, passando o Acre para o domínio brasileiro, depois do espanhol Galvez, que queria fundar um Acre independente, e que seria alcunhado como Galvez, o imperador do Acre. Vislumbrava a potencialidade do Acre na produção das riquezas da borracha, e da castanha brasileiras, produtos que sustentaram por muito anos o Amazonas e o Pará, que se desenvolveram com base nesses dois pilares: borracha e castanha, riquezas retiradas das terras acreanas. Aliás o Acre foi o único Estado que quiz pertencer ao Brasil, por vontade de seus filhos heróis. Por isso que no hino acreano tem uma frase seguinte: “Surge um astro na nossa bandeira, que foi tinto no sangue de heróis….” sangue de nordestinos que queriam o Acre como terras brasileiras..

clica