Direito Global
blog

Luiz Gonzaga, o Rei do Baião

A memória da maioria dos brasileiros é curta. Não do presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ex-presidente da OAB do Ceará e ex-secretário da Justiça e Cidadania do Ceará, advogado criminalista Hélio Leitão. Ele lembrou que a data de hoje (13) é histórica, principalmente para todo o povo nordestino.
Em 1912, em Exú, no interior pernambucano, nascia Luiz Gonzaga do Nascimento, o Rei do Baião. Ele foi compositor e cantor e ficou conhecido por ser autor de uma das mais completas, importantes e criativas figuras da música popular brasileira. Mestre Lula era um fervoroso torcedor do Santa Cruz de Recife. No Rio de Janeiro, onde morou por alguns anos, também simpatizou pelo Botafogo.

Cantando acompanhado de sua sanfona, zabumba e triângulo, levou para todo o país a cultura musical do nordeste, como o baião, o xaxado, o xotee o forró pé de serra. Suas composições também descreviam a pobreza, as tristezas e as injustiças de sua árida terra, o sertão nordestino.

Admirado pelos mais diversos artistas, Luiz Gonzaga ganhou notoriedade com as antológicas canções Asa Branca (1947), Seridó (1949), Juazeiro(1948), Forró de Mané Vito (1950) e Baião de Dois (1950).

O Rei do Baião morreu em 2 de agosto de 1989 em Recife. Luiz Gonzaga sofreu de osteoporose por anos. Morreu vítima de Parada cardiorrespiratória no Hospital Santa Joana, na capital pernambucana. Seu corpo foi velado na Assembleia Legislativa de Pernambuco, em Recife e posteriormente sepultado em seu município natal.

Usina Hidrelétrica Luiz Gonzaga é uma das várias homenagens ao cantor. Em 2012,  ele foi tema do carnaval da GRES Unidos da Tijuca, no Rio de Janeiro, com o enredo “O Dia em Que Toda a Realeza Desembarcou na Avenida para Coroar o Rei Luiz do Sertão”, fazendo com que a escola ganhasse o carnaval carioca daquele ano.

 

clica