Direito Global
blog

Impunidade dos empregadores

O advogado trabalhista de Brasilia, Maximiliano Garcez afirma que a impunidade dos empregadores é muito alta no Brasil, especialmente quando a ação é de uma mulher contra um homem. “Essa sensação de impunidade acaba estimulando o comportamento grotesco por parte de homens enquanto empregadores”.

Ainda segundo o especialista, existe ainda uma correlação do trabalho doméstico com a escravidão no Brasil, o que coloca essas trabalhadoras numa posição de ainda mais precariedade.

Segundo Celimar de Menezes, do site metropoles.com , uma publicação desesperada tirou da rotina um grupo de moradores do Guará  (DF) planejado para facilitar a prestação de serviços e o comércio na região. O tom era de desabafo: “Não é a primeira vez que acontece comigo ou com outra mulher!”, denunciou uma diarista, moradora de Ceilândia, de 20 anos de idade. Ela pedia, “pelo amor de Deus”, que os homens parassem de aliciar quem queria apenas um trabalho.

Procurada pelo site, a dona da publicação contou a sensação de impotência. Poucas horas depois, os moderadores do grupo apagaram sua queixa contra os assediadores. Apesar de ter autorizado o uso do nome, ela terá a identidade resguardada nesta reportagem.

A última vez que procurou emprego, há cerca de um mês, a diarista acabou presa dentro de um carro com um homem desconhecido. Ele a tinha contratado para fazer uma faxina, mas não forneceu endereço. Acertou que a buscaria na Estação Feira do metrô, às 8h. “Ele me buscou só às 9h50 e começou a rodar sem nunca chegar a lugar nenhum. Depois ficou falando que íamos para uma chácara”, contou a moça.

Segundo afirma a diarista, o homem fez comentários como “Tira a máscara pra eu ver sua boquinha” e, quando passaram em frente a uma hotel, ficou insinuando que o local era confortável. “Ele estava sugerindo que ficássemos lá”, sintetizou a trabalhadora.

À certa altura, quando o homem parou para abastecer, ela decidiu aproveitar a oportunidade e fugir. “Fingi que ia ao banheiro para depois sair sem ele ver, mas na saída do banheiro o carro estava em frente a porta”, contou.

“Ele me chamou para almoçar e ficava parando nos cantos com o carro trancado. A gente passou pelo Guará todinho, Núcleo Bandeirante e Candangolândia”, afirmou a mulher, que só conseguiu escapar em outra parada. Ela abriu a porta e deixou o carro às pressas.

Mas a privação de liberdade não foi o maior dos assédios sofridos pela moça. Em outra ocasião, quando trabalhava na casa de um policial, o homem aproveitou quando ela organizava a louça para obter contato físico. “Ele me imprensou com o pênis já duro, eu senti um desconforto, um medo, fui indo para frente para escapar, mas ele foi seguindo”, narrou.

clica