Direito Global
blog

Os 113 anos de Niemeyer

Por Silvestre Gorgulho

Oscar Niemeyer completaria hoje (15 de dezembro) 113 anos. O arquiteto continua vivo na cabeça dos brasileiros, especialmente, dos brasilienses. Merecia estar no Livro dos Recordes. Faleceu em 5 de dezembro de 2012, nove dias antes de completar 105 anos.
Oscar deixou mais de 300 projetos arquitetônicos em 69 cidades de 20 estados brasileiros, além de outros 150 projetos construídos em 55 cidades de 27 países, em quatro continentes.

Vale lembrar: a partir dos 98 anos, até completar 103 anos, Oscar Niemeyer dava um exemplo: toda terça-feira, no final da tarde, tinha duas horas de aula sobre Filosofia e Cosmologia, no seu escritório na Avenida Atlântica.
O professor era Luiz Alberto Oliveira, da UFRJ. Eu próprio assisti a três aulas junto com Oscar. Havia discussões, debates e explicações interessantes.
Nas três vezes que participei, fomos agraciados com um sarau comandado por professor (e ‘chorão’) Luiz Alberto Oliveira na flauta, José Carlos Sussekind ao piano, Vera Niemeyer no caraokê. Sempre regado a um bom vinho.
Um dia perguntei ao Niemeyer por que as aulas? Ele me respondeu:
– Aqui, ninguém pretende ser um intelectual, o bom mesmo é aprender e conhecer nossas origens, como caminhar diante da vida e desse universo imenso, que nos fascina e humilha”.
Que lição de vida!
Frases de Niemeyer
“Passei pela vida como outro homem qualquer. Nada de excepcional. Os mesmos problemas de trabalho e subsistência, de sonhos, tristezas e fantasias. Se trabalhei muito foi por ter como ofício um trabalho que me atraiu e apaixonou pela vida afora e se o desempenhei a contento foi porque o destino para isso contribuiu. Não vejo, portanto, razão válida para tantas homenagens…”
“Não acredito numa arquitetura ideal, adotada por todos. Seria a repetição, a monotonia. O objetivo principal é a beleza e que todas sirvam ao homem”.
“Gosto de lembrar o grande arquiteto finlandês, Alvar Aalto: não existe arquitetura moderna ou antiga. Estilo moderno ou antigo. Existe apenas boa e má arquitetura.”
“Não sei se a idade tem influído na minha tendência a aceitar melhor este mundo e as pessoas como elas são. (…) Isso torna meus contatos mais tranquilos e a vida mais fácil de viver”.
“Só no campo da política sinto-me cada vez mais radical, preso às minhas velhas convicções, aos antigos camaradas, aos que lutam pelas ruas e praças contra a injustiça social, a miséria, o desemprego, a violência, as ameaças à nossa soberania”.

 

clica