Direito Global
blog

Sergipano aplica golpe do restaurante em todo país

O sergipano Ruan Pamponet Costa, de 28 anos, foi denunciado pelo Ministério Público do Tocantins por estelionato. Ele foi preso em um restaurante da Praia da Graciosa, em Palmas, após dar um prejuízo de R$ 5,2 mil. O homem pediu frutos do mar, garrafas de whisky de R$ 1,5 mil, gin importado, energéticos e cervejas, mas na hora de pagar a conta se recusou. Na ocasião, o chefe do estabelecimento afirmou que Pamponet tinha se apresentado como jogador de futebol.

Segundo as autoridades, Ruan possui mais de 40 passagens pela Polícia, registradas desde 2014, distribuídas em pelos menos oito estados do País — Bahia, Alagoas, Pernambuco, Ceará, Tocantins, Goiás, São Paulo e Rio de Janeiro —, além do Distrito Federal. Ele estava residindo em Brasília, local onde aplicou mais golpes. O caso em Palmas aconteceu apenas dois dias após Ruan ser posto em liberdade em Goiânia, Goiás, por causar um prejuízo de R$ 6 mil após fingir passar mal para não pagar a conta.

Segundo a Polícia, o homem deu o calote mesmo sendo orientado pela juíza que o soltou a ficar longe de bares e não agir mais de má-fé. Durante a audiência de custódia realizada pela Justiça da capital de Tocantins, ele revelou ser barman, mas que não possui vínculo empregatício formal desde 2018. “Apesar de ter essa péssima conduta, sempre fiz bico de barman”, disse ao juiz.

Em novembro de 2021, ele fingiu ser jogador de futebol e gastou cerca de R$ 4,3 mil em um restaurante no bairro Varjota, área nobre de Fortaleza, no Ceará. Acompanhado de dois supostos seguranças e dois motoristas de aplicativo, ele consumiu quilos de picanha importada, camarão e sobremesas. Nas bebidas, foram R$ 537,30 só de caipirinhas e R$ 527,67 em energéticos.

Natural de Aracaju, Sergipe, o investigado viveu com a família até os 18 anos e durante esse tempo não demostrava interesse em estudar ou se esforçar para trabalhar, segundo informou o pai dele, que não teve identidade revelada. Então, aos 19 anos começou a aplicar golpes. “Ele nunca quis saber muito de estudar e se esforçar para as coisas. Sempre foi bem assim, querendo só viver a vida boa. Aí, tem uma hora que a gente cansou e ele seguiu a vida dele”.

clica