Direito Global
blog

O pendão da esperança

O artigo ” O pendão da esperança ” é de autoria do ex-ministro da Previdência Social ( 1979/1982) e ex-governador do Rio Grande do Sul (1983/1987), Jair Soares:

“O dia 19 de novembro é consagrado à bandeira brasileira. Nestes tempos líquidos em que vivemos – em que o aqui e o agora é o que importa – convínhamos refletir sobre a validade de símbolos que asseguram perenidade, soberania e noção de que pertencemos a uma nação. A valorização da bandeira nacional, que alguns no Brasil minimizam, quando não apequenam, não pertence a nenhum governo. Integra, sem nenhum viés ideológico, o atemporal patrimônio histórico dos mais de duzentos milhões de brasileiros que habitam este País, e não abdicam da condição de conterrâneos. Ordem e Progresso, que ornam a consigna pátria desde os albores da República, não podem ser consideradas meras figuras de retórica : traduzem pressupostos inafastáveis para a construção de ” uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias ( excerto do preâmbulo da Constituição Federal ) “.

Certo que a pandemia COVID-19 – cujos efeitos, especialmente na área econômica, serão sentidos por largo tempo -tornou explícita a desigualdade social existente Brasil adentro, caracterizada pelo número de assistidos via bem-vindo auxílio emergencial ( em torno de 60 milhões de pessoas ) ; incontestável que o Sistema Único de Saúde ( SUS ) deve ser preservado e expandido, garantindo-se-lhe a indispensável sustentação financeira. O SUS está respondendo, em tempo socialmente adequado, ao formidável desafio que lhe foi imposto, conseguindo, com a atuação abnegada de servidores públicos e agentes credenciados, minorar impactos que seriam devastadores, não fora a respectiva rede de atendimento instalada. E, quando estiver disponibilizada a vacina contra a COVID-19, a interação entre União, Estados, Distrito Federal e Municípios, via SUS, será vital para o atingimento da respectiva cobertura de imunização.

De resto, teremos, a curtíssimo prazo ( 29 de novembro ), nas localidades em que haverá segundo turno nas eleições municipais , a oportunidade para escolhermos Prefeitos que conjuguem a busca do progresso, com respeito à ordem e à responsabilidade fiscal e ambiental.”

clica