Direito Global
blog

Sebastião Nery e Ilmar Galvão

Hoje (08.03) o jornalista e político Sebastião Augusto de Sousa Nery completa 89 anos. Baiano de Jaguaquara, Sebastião Nery nasceu na mesma cidade que o ministro aposentado do STF e ex-presidente do TSE, Ilmar Galvão. O ministro é de 8 de maio de 1933, ou seja, vai completar 88 anos, um a menos que o seu conterrâneo.Jaguaquara é um município localizado no Vale do Jiquiriçá, na microrregião de Jequié, no sudoeste do Estado da Bahia. A cidade se destaca no contexto agrícola pela produção de hortifrutigranjeiros.

A história abaixo é contada pelo jornalista brasiliense Silvestre Gorgulho:

Sebastião Nery e o primeiro milagre de Brasília:

Hoje, 8 de março, Sebastião Nery completa 89 anos.
Há algum tempo, Nery lembrou seu companheiro de redação Murilo Melo Filho, contando a seguinte história:
– “Eu era então (em 1956) chefe da seção política da “Tribuna da Imprensa”, jornal de oposição, dirigido por Carlos Lacerda, que movia feroz campanha contra JK. Apesar disso, ele sempre me distinguiu com especial atenção e, na sua segunda viagem a Brasília, me convidou para acompanhá-lo.
Saímos do Rio num Convair da Aerovias-Brasil e aterrissamos numa pista improvisada, perto do Catetinho. Às quatro horas da madrugada do dia 2 de outubro, ainda noite escura, JK já estava de paletó esporte, camisa de gola role, chapéu de aba larga, botinas e um rebenque, batendo à porta de nossos quartos, e convidando-nos para irmos com ele visitar as futuras obras. Brasília era um imenso descampado:
– Aqui será o Senado, ao lado da Câmara, mais adiante os Ministérios. No outro lado, o Supremo e o Palácio do Planalto, onde irei despachar”.
– “Naquela nossa primeira noite em Brasília, após um dia de calor escaldante, os engenheiros estavam na varanda do Catetinho, em torno de uma garrafa de uísque, que era bebido ao natural, isto é, quente, porque em Brasília não havia ainda energia elétrica e, portanto, não havia gelo, que era artigo de luxo. Juscelino, presente, comentou:
– Vocês sabem que eu não gosto de uísque. Mas que uma pedrinha de gelo, aí nos copos, seria muito bom. Seria…
Nem bem ele acabou de pronunciar essas palavras, o céu se enfarruscou e uma chuva de granizo despencou sobre aquele Planalto, levando os boêmios candangos a aparar as pedras, jogar nos copos e tomar uísque com gelo”.
Era o primeiro milagre de Brasília.

clica