Direito Global
blog

Filho de analfabeta tira maior nota da OAB-PE

Filho de mãe analfabeta, ex-catador de lixo tira a maior nota da prova da OAB de Pernambuco. Desde pequeno, Walter Marinho dos Reis, de 34 anos, teve a mãe como grande ícone e incentivadora dos seus estudos e do sonho da conquista do diploma. Dona Severina é analfabeta, mas sempre ensinou ao filho a importância da educação. Todo esse apoio rendeu frutos, já que Walter, – que já trabalhou como catador, vigilante e sargento do Exército -, concluiu o curso de Direito e alcançou a nota mais alta do Exame da entidade dos advogados. “Já tinha sido catador de recicláveis, dono de bar, vigilante, sargento do Exército. Sempre procurando o melhor para mim e sempre correndo atrás de um objetivo, de algo melhor”, declarou o agora advogado.

Na infância e adolescência ele sempre estudou em escolas públicas, mas optou por entrar em uma faculdade particular para cursar Direito. Walter conta que sempre foi um perrengue danado para ele conseguir pagar as mensalidades, mas que jamais pensou em desistir. Por anos e anos o pernambucano estudou em uma pequena mesa improvisada no canto da sala de estar da mãe, que sempre o acompanhou e o incentivou quando o filho se desanimava. “Meu maior alicerce foi a minha mãe. Analfabeta e nunca foi para a escola, mas sempre me deu apoio“, afirmou Walter.

Nascida e criada em Surubim, no Agreste de Pernambucano, Severina de Souza Marinho se mudou para Recife em 1988 em busca de uma vida melhor. Sozinha, ela criou os 5 filhos com o sustento que tirava – com muita luta – do trabalho na roça e também como empregada doméstica. Dos cinco, Walter é o único que conseguiu uma graduação no ensino superior. Para o recém-formado advogado, sua mãe sempre buscou dar aos filhos as oportunidades que ela mesma não teve. “Dizia ‘quando chegar em casa, você tem que estudar, porque se você não estudar que nem eu, você não vai ser alguém na vida’. Quem não estuda é uma pessoa ‘cega’”, afirma a idosa.

Agora com o diploma de Direito e a carteira da OAB em mãos, Walter vai se dedicar aos concursos públicos com o objetivo de se tornar juiz federal. Enquanto isso, ele guarda consigo um dos maiores orgulhosos de sua vida – a placa da Ordem dos Advogados do Brasil que representa muito bem tudo o que passou até chegar nesta conquista. “Quando a gente está determinado a conseguir algo e tem o apoio da família, tudo flui”, concluiu.

Juízes federais comentam

O ex-presidente da Associação dos Juízes Federais (Ajufe), desembargador aposentado do Tribunal Regional Federal da 4a Região – sede em Porto Alegre – e agora advogado, Jorge Maurique comentou: “Este é um belo exemplo de luta e superação. Tenho a esperança que com a experiência de vida, ele lutará também por justiça social e inclusão dos mais desfavorecidos na sociedade, honrando sua mãe e sua família”.

Outro ex-presidente da Ajufe, o juiz federal Walter Nunes comentou: “História empolgante, certificadora de que a educação se apresenta como a via mais potente para proporcionar qualidade de vida e ascensão social. Certamente, será um profissional do direito exemplar. Com sua mente aguçada, tem no radar a perspectiva de que, como juiz federal, poderá lutar de forma especial pela justiça, o que é motivo de orgulho para a magistratura federal. Faço votos para que Walter realize os seus sonho.

Também ex-presidente da Ajufe, o juiz federal Roberto Veloso disse: “A dedicação e a vontade estão sendo premiadas com as vitórias alcançadas. Conseguir o primeiro lugar no exame da ordem é um prenúncio de que poderá atingir o seu objetivo de ser juiz federal com o estudo.”

O ex-presidente nacional da OAB, Reginaldo Oscar de Castro comentou a vitória obtida por Walter Marinho dos Reis: ” O meu pai, como o Walter, também passou por obstáculos semelhantes. No entanto teve uma trajetória profissional invejável. O Walter tem a vantagem de sobreviver dependendo apenas de si próprio. Terá êxito em qualquer desafio que se dispuser a enfrentar. Estará sempre sustentado pela independência conquistada na sua formação, circunstância indispensável ao advogado, magistrado ou cargos de natureza jurídica. Congratulo-me, também, com a Faculdade na qual se graduou. É merecedora de aplausos da OAB”.

clica