Direito Global
blog

Crise em 2.600 cartórios espalhados pelo país

Cerca de 2.600 Cartórios distribuídos no território nacional estão trabalhando no vermelho. O estado do Ceará figura entre as quatro estados com as piores médias de arrecadação por cartório no Brasil, ficando à frente apenas da Paraíba, Bahia e Alagoas. E mesmo nessa condição, o estado, por meio do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), ainda não estabeleceu a Renda Mínima para os Cartórios de Distritos, atendendo a determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), prevista no Provimento 81, de 6 de dezembro de 2018, e assinada pelo então ministro da Corregedoria Nacional de Justiça, Humberto Martins.

No caso específico do Ceará, notadamente os Cartórios de Registro Civil – com ênfase nos localizados nos Distritos do Interior -, não conseguem custear todas as despesas a exemplo de aluguel do estabelecimento, contas fixas de Energia e Telefone, Repasses Obrigatórios para o Tribunal de Justiça, Ministério Público e Defensoria Pública, e gerar emprego mantendo um ou mais funcionários. Embora as demandas pelos serviços ofertados sejam pequenas em muitos Distritos, a ausência do cartório dificultará ainda mais a vida do cidadão, que terá que se deslocar para a sede do município. A vida das pessoas passa pelo cartório, seja quando nasce, adquire algum bem e até quando vai a óbito.

Aprovada no último concurso e há um ano e meio à frente do cartório localizado no distrito de Dom Quintino, distante 26 quilômetros da sede no Crato, a tabeliã e registradora civil Ívina Gê Trigueiro (foto), é um dos exemplos da necessidade de ter aprovada a renda mínima. Para os cerca de três mil habitantes, é ela a responsável pelos Serviços de Cidadania como Certidões de Nascimento, Casamento e Óbito, além de algumas atribuições de Notas.

O Cartório existe desde 1941 e, por conta das dificuldades financeiras, não conseguiu avançar muito nos Processos de Digitalização dos Documentos. Só para citar um exemplo. Hoje não é possível viver da arrecadação do cartório e ainda temos o repasse a ser feito mensalmente para a Defensoria e o Ministério Público, além do Tribunal de Justiça do Ceará”, garantiu Ívina.

Em número bem menor, há os cartórios financeiramente hipossuficientes, no caso os de Registros Imobiliários. E para estar à frente do cartório, o profissional precisa ser formado em Direito, aprovado em concurso público de provas e títulos. Desta forma, o profissional passa a atuar onde há necessidade do serviço, de maneira a facilitar a vida do cidadão. Serviço esse cada vez mais relevante por sua qualidade e celeridade, sem perder a segurança jurídica. Tanto é, que os Cartórios passaram a assumir responsabilidades que eram exclusivas do Judiciário, como Inventário e Divórcios.

clica