Direito Global
blog

Ronaldinho Gaúcho na prisão

No próximo dia 6 de junho o craque campeão do mundo, Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Assis completam o terceiro mês de prisão domiciliar no Paraguai determinada pelo juiz Gustavo Amarilla. O decisão que “relaxou” a condição de Ronaldinho foi tomada em uma audiência em que a defesa dele apresentou o pagamento de fiança de US$ 1,6 milhão (aproximadamente R$ 8,35 milhões). Além disso, os advogados Sergio Queiroz e Adolfo Marin indicaram na audiência que ele e Assis vão ficar no Hotel Palmaroga, em Assunção.

Com a documentação do pagamento da fiança e da hospedagem em mãos, o juiz optou por permitir que eles fiquem em prisão domiciliar enquanto aguardam a sequência das investigações e o julgamento, embora o Ministério Público defendesse que ambos seguissem detidos, pois, soltos, poderiam atrapalhar as investigações.

Não há estimativa de data para que o craque brasileiro e seu irmão tenham um fim do pesadelo. Por mais que sua defesa trabalhe diariamente no caso, segundo a imprensa local, a Justiça paraguaia não tem um prazo legal para responder as solicitações feitas pelos advogados do ex-jogador e do irmão, o que torna sua situação ainda mais complicada.

Ronaldinho e Assis foram detidos em 6 de março, quando deram entrada no Agrupamento Especializado, um quartel da Polícia Nacional adaptado como presídio. Desde então, ele cumpriam prisão preventiva determinada pela Justiça paraguaia por usarem passaportes falsos para entrar no país dois dias antes.

O Ministério Público investiga suposta participação de Ronaldinho e do seu irmão em uma organização criminosa especializada em falsificação de documentos e lavagem de dinheiro.

Desde que foi preso no Paraguai, no dia 6 de março, Ronaldinho deixou de fazer postagens em suas redes sociais. Na passada, dia 22, porém, ele voltou a publicar um vídeo em seu Twitter e no Instagram, com uma mensagem, no mínimo, curiosa: — Xeque Turki, boa sorte no jogo amanhã (sábado), e use todos os dribles mágicos. Abraço.

Na gravação, feita no hotel onde o ex-jogador cumpre prisão domiciliar ao lado do irmão Assis, em Assunção, é citado Turki bin Abdulmohsen bin Abdul Latif Al-Sheikh, assessor da Corte do Reino da Arábia Saudita e presidente da Autoridade Geral de Entretenimento do país. Ele é conhecido do meio futebolístico por ser o dono do Almería, clube da Espanha. Antes, ainda foi o dono do Pyramids, do Egito, que contratou jogadores brasileiros, como Rodriguinho e Keno.

Além de Ronaldinho, outras personalidades do futebol mundial gravaram vídeos de apoio ao milionário, como Ronaldo Nazário, Maradona, Messi, Kaká e até o técnico do Flamengo, Jorge Jesus.

clica