Direito Global
blog

Tudo começou no protesto “Pão e Paz”

O dia 8 de março foi escolhido como o Dia Internacional da Mulher pela Organização das Nações Unidas – ONU para lembrar a luta das mulheres pela igualdade de direitos.

Um dos principais motivos foi que em 8 de março de 1917, um protesto que ficou conhecido como “Pão e Paz” foi realizado por mais de 90 mil mulheres na Rússia.

Elas lutavam por melhores condições de trabalho no setor têxtil e também contra a participação da nação na Primeira Guerra Mundial. Esse ato foi tão importante que desencadeou a Revolução Russa e posteriormente a deposição do czar Nicolau II.

Em 1921, o recém nomeado primeiro-ministro da União Soviética, Vladimir Lenin, reconheceu a importância do protesto “Pão e paz” e proclamou o dia da sua realização, 8 de março, como sendo o dia da mulher.

Há uma história bastante difundida de que em 8 de março de 1857 teria acontecido um incêndio em Nova Iorque provocando a morte de 129 operárias incendiadas em uma fábrica têxtil. Entretanto, o fato não é verídico, mas uma confusão feita por jornais franceses e alemães.

A internacionalização do dia 8 de março só veio ocorrer nos anos seguintes, quando a data se espalhou pela Europa e Estados Unidos.

A partir da década de 60, o movimento feminista o transformou em um grande evento. Em 1975, a data passou a ser celebrada pela ONU – Organização das Nações Unidas que adotou uma resolução propondo a sua comemoração em todos os países.

O objetivo dessa data é reconhecer a luta em busca dos direitos sociais, políticos e econômicos. As mulheres devem olhar para a história com orgulho do passado e inspiração para o presente e futuro para melhorar as suas vidas em todo mundo.

clica